terça-feira, 7 de outubro de 2008

O mundo está ao contrário e ninguém reparou

Cena I
Mulher e criança, uma menina de 10 anos mais ou menos, sentam no banco da frente do bus. Leia-se: banco reservado. A menina senta no colo da mãe. O bus enche. Tem alguns senhores na frente mas não chegam a ser velhinhos mesmo. Entra uma senhorinha. Cabelos bem branquinhos, mais velha que os senhores... a mulher se levanta para ela. A menina primeiro. Toda essa mobilização e quem senta? O senhor que estava mais próximo do banco. Ele e seu umbigo eloorme.

Cena II
Uma moça se levanta para descer. Um rapaz que está de frente para o banco em pé oferece o lugar para outro rapaz. Ele não aceita e ele senta. Mesmo com duas mulheres (mais velhas que os dois) em pé do outro lado do rapaz.

Um comentário:

Madalena disse...

Cena 3:
uma mulher muuuuuito grávida está em pé no metrô. Ela pode ter o filho a qualquer momento, tamanho o tamanho (a repetição é pq era grande mesmo) da barriga. Está parada em frente aos bancos reservados... ocupados por uma moça jovem, não-grávida, e um adolescente de fones de ouvido. Nenhum deles se mexe.
Umas três estações depois, a moça que estava sentada se levanta e sai do trem. A grávida faz menção de finalmente se sentar, com cara de alívio. Então o adolescente, que estava sentado no banco que dá para o corredor, vê ali uma excelente chance de dar uma encostadinha no ferro que apóia o outro banco.. e desliza para o lado sem olhar para a frente, e sem ver que quase tinha derrubado a grávida que estava a dois centímetros dele, quase com o bebê no colo do dito cujo, se preparando para sentar ali.
Meninos, eu vi...